O que se espera do CFO de 2020? CEO da R11 Travel responde

O que difere um CFO bom de um CFO excelente? O que se espera de um alto executivo financeiro em 2020? O escopo de trabalho desses profissionais vai muito além de atividades contabilistas.

Estamos falando de executivos responsáveis por viabilizar formas de reduzir custos, buscar de benefícios fiscais, buscar tecnologias disruptivas que melhores os processos da empresa, além de claro fortes habilidades de gestão de caixa.

Para entendermos melhor o que se espera de um CFO em 2020, conversamos com Ricardo Amaral, CEO da R11 Travel (a Distribuidora Exclusiva do Grupo Royal Caribbean no Brasil).

Ricardo Amaral - CEO da R11 Travel. Uma entrevista sobre o papel do CFO de 2020

Conheça Ricardo Amaral

Ricardo Amaral foi eleito por 8 vezes um dos executivos mais poderosos do Turismo no Brasil pela Revista Panrotas. Não é à toa. Com mais de 25 anos de experiência, passou 17 deles como executivo do Grupo Royal Caribbean, além de sua contribuição por 7 anos com a CLIA ABREMAR, como Chairman e posteriormente como Board Member. Hoje em dia atua como CEO da R11 Travel, que iniciou suas operações em agosto de 2016 e tem escritório fixado na Grande São Paulo.

Confira abaixo nossa entrevista com Ricardo.

A Entrevista

1- Olá Ricardo, tudo bem? Você é hoje em dia CEO da R11 Travel. Você pode nos contar um pouco sobre a empresa?  

R11 Travel é uma empresa especialista em cruzeiros marítimos. Ela é a distribuidora exclusiva das marcas do Grupo Royal Caribbean no Brasil. São as marcas Royal Caribbean International, Celebrity Cruises, Azamara Cruises. E nós também distribuímos os cruzeiros da Silversea que é uma marca de ultra luxo do portfólio da Royal Caribbean.

 Com esse portfólio tão variado, nós temos a possibilidade de atuar na liderança de cada uma dessas marcas, dos seus nichos e ter uma oferta para diferentes tipos de viajantes.

Nós trabalhamos com a distribuição de turismo, seja com vendas aos hóspedes, seja no atendimento das agências de viagens de todo o Brasil que vendem esses cruzeiros.

2- Muitas pessoas sonham em chegar ao cargo de CEO de uma organização, mas a verdade é que poucas pessoas sabem os desafios que essa posição engloba. Como você descreveria, em suas palavras, o escopo de trabalho do CEO de 2020? 

Quando você é o especialista numa área seja marketing, finanças, planejamento, vendas, recursos humanos, você tem o domínio daquela disciplina e precisa integrá-la com as outras áreas da empresa, para ter essa engrenagem funcionando.

Logicamente, se você é uma pessoa que domina a disciplina financeira e trabalha em uma empresa que tem o viés financeiro, um banco, uma corretora por exemplo, a área financeira é core para aquela organização. Mas, sem dúvida, essa empresa também precisa de recursos humanos, de marketing, de vendas, da área legal e assim por diante.

Então, quando você chega se a ser CEO, você é o chefe daquela unidade que tem uma missão, uma atuação – ou seja, o CEO de 2020 tem que ser multidisciplinar. Se ele tiver uma origem no marketing, vai ter que se envolver com contabilidade, recursos humanos, a parte legal, a parte financeira e não mais só naquela disciplina que ele era o especialista.

Uma boa analogia que fazem é a do maestro de uma orquestra. Por mais que o maestro saiba tocar um pouco de cada instrumento, o que ele faz é congregar aquela orquestra para que ela produza, cada um na sua individualidade e atuando em harmonia, o resultado final que a execução da sinfonia.

CFO - Barcos de Papel

3- Como você enxerga a importância da relação entre um CEO e um CFO?     

No mundo complexo como nós temos hoje, de empresas cada vez mais globalizadas, a função de um profissional financeiro é crítica para empresas poderem entender como maximizar sua performance e atingir seus objetivos, sejam financeiros, quantitativos ou de posicionamento e o CFO vai poder dar o suporte para isso.

Nesses tempos de pandemia, você pode enxergar melhor a importância da função do CFO. Todas as empresas do mundo estão fazendo captações de recursos, ampliando linhas de créditos, acessando caixa para poder ter saúde financeira e poder navegar através dessa crise. E o CFO, assim como o CHRO e o CP, vai poder dar todo o suporte para o CEO dentro do aspecto financeiro, para que a empresa não tenha distrações da sua atividade. Por isso essa relação entre o CFO e o CEO deve ser muito ativa.

4- O papel do CFO mudou bastante nos últimos anos. Quais as principais mudanças que você enxerga?  

 

O que acontece é que o mercado global tem mudado. Alguns locais têm especificidades, por exemplo o Brasil tem uma complexidade financeira muito grande. Tanto que os profissionais financeiros brasileiros são reconhecidos internacionalmente. O Brasil é um país que financeiramente falando tem um dinamismo muito grande. Então você tem uma reforma tributária, você tem exportações e importações, o fechamento de câmbio, etc.

E todas essas facetas o profissional financeiro precisam ser desenvolvidas de uma forma muito eficaz, porque hoje a concorrência é tão grande que se uma empresa tiver uma vantagem em alguma dessas áreas muito relevante, isso com certeza vai refletir na sua performance, no seu valor de mercado na sua percepção pelo mercado.

Uma empresa estar sólida financeiramente, não é um diferencial, é uma obrigação. Hoje em dia você tem o fenômeno das Fintechs que realmente estão mudando o cenário da compra e do consumo. Atualmente procuramos por um profissional financeiro que entenda sobre tecnologias sobre o mundo digital e que possa plugar essa empresa, essa unidade de negócios dentro de um mundo que está cada vez mais competitivo.

CFO - Quote Ricardo Amaral: Uma empresa estar sólida financeiramente, não é um diferencial, é uma obrigação. Hoje em dia você tem o fenômeno das Fintechs que realmente estão mudando o cenário da compra e do consumo. Atualmente procuramos por um profissional financeiro que entenda sobre tecnologias sobre o mundo digital e que possa plugar essa empresa, essa unidade de negócios dentro de um mundo que está cada vez mais competitivo.

5- Quais as características que você busca em um CFO? 

 

Sem dúvida nenhuma você tem que ter a liderança, o jogo de cintura, a capacidade técnica e mais ainda, a capacidade de aprendizado. Eu acho que a capacidade de aprendizado é algo fundamental, porque num mundo em constante mudança, você não pode se acomodar dentro do seu conhecimento técnico passado porque ele está mudando, ele vai mudar.

Um profissional financeiro de dez anos atrás e de dez anos adiante são pessoas completamente diferentes. Então, o que você tem que buscar são os comportamentos que se alinham com a sua organização e uma pessoa que está a disposta e com a mente aberta para aprender, para evoluir e para mudar. A ética e compliance são indispensáveis. Práticas que aconteciam no passado não são permitidas no presente e certamente não serão permitidas no futuro.

6- Como você diferencia um bom CFO de um ótimo CFO? 

 

Sem dúvida nenhuma, todo mundo fala de grandes executivos, que eles têm que olhar o futuro. Mas o dia a dia da empresa, um bom planejamento orçamentário, um bom budget, um bom forecasting, bom controle de custos faz com que a função do CFO no gerenciamento das atividades financeiras, nas despesas da empresa, nos pagamentos da empresa, no fluxo de caixa da empresa seja determinante.

Como a inovação no ambiente de trabalho leva a melhores decisões de negócios?

7- Os departamentos financeiros ao redor do mundo estão cada vez mais abraçando a transformação digital. Você acredita que um CFO que abraça essa proposta para agregar valor à empresa é bem visto dentro da organização?   

 

Os departamentos financeiros ao redor do mundo estão evoluindo cada vez cada vez mais. Hoje em dia você ter um headcount muito grande para gerenciamento de funções “transnacionais”, não é algo que é bem visto, aceitável ou inteligente.

Temos hoje o fenômeno da internet hoje, onde as pessoas não querem esperar, não aceitam mais esperar. Elas querem a resposta imediata, precisa e com o menor custo transacional possível. Antigamente por exemplo, você pegava a filipeta do cartão de crédito físico e mandava entregar ao banco para fazer um desconto. Hoje Isso não existe. O controle financeiro  precisa ser o mais automatizado possível.

Com as tecnologia disponíveis no mercado, você tem a possibilidade de transformar transações cotidianas em algo automatizado e deixar as pessoas atuarem na fomentação de relacionamentos, de pensamentos. Com isso sobra tempo para você conseguir trabalhar melhor o seu core business no dia a dia.


Se você já sabe tudo sobre o que uma empresa precisa ser para ser considerada uma empresa moderna em 2020 e já quer dar o próximo passo, agende uma breve demonstração com um dos nossos especialistas e descubra como o Rydoo pode trazer a inovação que sua organização tanto procura.

8- Focando um pouco no setor de viagens, como você enxerga o papel da tecnologia dentro desse segmento?

 

No segmento que a gente atua, o segmento de viagem seja ele corporativo ou a lazer. As pessoas buscam sem dúvida nenhuma o maior envolvimento com o seu cliente (que normalmente está remoto ) possível, através de meios digitais e tecnológicos. Então, hoje as nossas plataformas, os investimentos, são feitos em tecnologia para o usuário final, eles são os mais relevantes.

Mas isso não tira a importância da figura da pessoa, principalmente na área de viagens. Você pode acessar um site de uma companhia aérea, de uma companhia marítima, mas muitas vezes você vai precisar da interação humana. Se você tiver essa tecnologia auxiliando essa operação de uma forma que você melhore a experiência do usuário, e melhor, a experiência do operado com um custo menor, isso é fantástico, é algo que é uma tendência para o futuro. E os CFOs e CEOs que não tiverem atentos a isso vão ter problemas no futuro.

9- Uma pesquisa da Gartner aponta que CFOs acreditam que em média 25% do seu tempo é gasto com tarefas que não agregam valor. Como você acredita que isso pode ser revertido?

 

Eu não sei quanto ao percentual exato, ou se estamos falando de percepção ou realidade, mas o fato é que toda a tarefa que não agrega valor deve ser entendida, compartimentalizada e eventualmente ou terceirizada ou automatizada.

A longo prazo elas acabam sendo um dreno de atenção, de recursos e de energia por parte da empresa que deixa de focar 100% no seu core, na sua expansão, na sua equipe, e no seu cliente.

Se você tem alguma atividade que ela realmente não é significante dentro da jornada da empresa, da jornada do consumidor, ela precisa ser simplificada, compartimentalizada, automatizada o mais rápido possível.

CFO - Quote Ricardo Amaral: "O futuro de viagens, pós pandemia vai continuar. Viagem não é luxo, viagem, uma necessidade daquele que é financeiramente ativo. [...] De fato, não vai ser o mesmo. As viagens elas mudam, mas mudam como aconteceu  depois de 11 de setembro. Mais segurança. Mas atenção, mais conscientização, mais limpeza, isso não necessariamente é ruim. Você tem uma viagem com mais segurança é bom para todo mundo."

10- Durante a pandemia, a relação CEO e CFO ficou ainda mais estreita na R11? Ou vocês já tinham um contato frequente?  

 

A relação do CEO e do CFO é muito próxima. Temos contatos diários para entender fluxo de caixa, reembolsos, pagamentos, cash flow e custos. Afinal,  houve uma redução de receitas sem dúvida nenhuma e a redução de recursos precisa ser proporcional.

11 – A R11 é uma empresa do setor de viagens. Como você acredita que será o futuro das viagens, pós pandemia? 

 

O futuro de viagens, pós pandemia vai continuar. Viagem não é luxo, viagem, uma necessidade daquele que é financeiramente ativo. Você precisa da viagem para renovar, reconectar, aprender, zerar o seu HD e poder continuar. No ponto de vista corporativo, as viagens unem as pessoas, unem os mercados, unem as empresas que expandem regionalmente a sua atuação.

De fato, não vai ser o mesmo. As viagens elas mudam, mas mudam como aconteceu  depois de 11 de setembro. Mais segurança. Mas atenção, mais conscientização, mais limpeza, isso não necessariamente é ruim. Você tem uma viagem com mais segurança é bom para todo mundo. Talvez esses procedimentos não fossem necessários no passado, mas se fizeram no futuro.

Com pandemia certamente também mudarem os atos de segurança, mas eu diria em relação a segurança na saúde. Então, como vai ser a limpeza dos aviões, dos navios, dos hotéis, para fazer com que as pessoas, os usuários, eles tenham essa tranquilidade.

Girl subscribing to Rydoo's newsletter - Illustration

Subscreva a nossa newsletter